Sábado, 23 de Julho de 2011

Mensagem para uma noiva

Parabéns! Felicidades, noiva chamada Paula, médica e amiga da Margaret. Parece que estudaram juntas.

Não sei quem és, embora me tenham dado outras referências que não vou colocar aqui, obviamente. A Margaret estudava psicologia. Tu, pelos vistos medicina. Mas em algum lado, em qualquer tempo, vocês se aproximaram. Parece que foram amigas. Que acompanhaste o seu infortúnio. Por isso, quiseste vir colocar o teu ramo de noiva na campa dela. Ofereceste-lho. Foste a segunda noiva a fazê-lo (não sei se terá havido mais. De vez em quando aparecem ramos muito bonitos). 

Intrigava-me aquele ramo já meio seco no mármore. Fitas de seta vermelha, bordado com pérolas lindas. Julguei ser um ramo de noiva e não me enganei. Hoje, confirmei e ao saber um pouco do teu desejo em oferecê-lo à Margaret, tua amiga, fiquei ainda mais emocionada. A pele arrepiou-se com aquela corrente de emoção que sobe, sem saber de onde, e se centra no peito, apertando-o. As lágrimas assomam aos olhos. Gestos simples como aquele que tiveste, emocionam. 

Passados quase quatro anos, desde que ela partiu, ainda existem muitas pessoas, conhecidas e outras desconhecidas que procuram saber em Constância onde está. Não é difícil identificar. Mármore branco, uma Nossa Senhora de Fátima protectora e as estrelinhas que enfeitam a campa... Dois cães de peluche lembram aqueles que deixou, e a foto em tons de azul, mostra o rosto da nossa Estrelinha Azul.

Hoje, queria deixar aqui uma mensagem de gratidão por teres deixado, por momentos, a felicidade do teu dia e ires falar em surdina com a tua amiga. Abençoada sejas.

 Entalei-o, entre a lápide e a Nª Srª de Fátima para que não voasse com o vento.

 

Ana Margaret Pinto Cotovio dias Martins

30 de Agosto de 1983 a 31 de Agosto de 2007

Amamos-te

Até à eternidade, a tua luz brilhará em nossas vidas

 

E à medida que o tempo passa, a sua luzinha brilha na vida de mais gente.

Obrigada Paula.

 

 

 

 

 No dia do seu casamento, a prima Xana (que tinha crescido como irmã, também lhe foi oferecer o ramo)


Desabafos de alemvirtual às 23:11
link do post | Deixe o seu comentário | favorito
Segunda-feira, 18 de Julho de 2011

Quando a saudade bate

 

Saudade pulsante no peito, ao compasso deste sopro de saudade. Mansamente...

 

Não, agora não. Abrupta como a chuva batendo na vidraça.

Fria.
Brusca. Como a saudade que escorre em veias de sangue gélido.

 

Preciso do calor dos teus beijos. Do afago dos teus braços. Cálidos como o sol que se pressente. Sol enganador em turvas passagens frias. Mas não. Não. 

Teus braços são quentes e neles me refugio.

Vejo-te e revejo-te na luz do meu caminho.

Encontro-te nas árvores que dançam...os teus olhos confundidos com a terra.

Adivinho o som dos teus passos. Em sorrisos feitos luz.

Tu és o verde dos campos. O céu turvado em cinza.

És tudo. E tudo sem nada seres.

 

Dói a saudade. E não sei se bate a chuva lá fora ou cai no meu coração. Não sei se escorre nos vidros ou sangra dentro do peito.

Sei que, saudades de te ver, doem mais que saudades de te não ver.


Desabafos de alemvirtual às 22:38
link do post | Deixe o seu comentário | favorito
Domingo, 17 de Julho de 2011

Analogia

 

 

 

 

Não sei se é sede ou fome. Digo, apenas, que é vontade de ti.

Como folha desprendida do ramo pelo vento agreste que sopra forte. Observo a sua luta por voltar ao galho de onde se soltou. Contra vontade. Contra os sopros que a arrastam. Ela teima. Resiste. Depois vai. Entrega-se. Rodopia. Balouça nas revoadas de ar. Talvez grite. Na linguagem muda da seiva que ainda corre nos veios. Grita por voltar ao seu ramo, à sua árvore. Ao aconchego dos braços de onde partiu.

Fico a olhá-la. Absorvo-a com o olhar, como te absorvo a ti quando te olho. Com infinita ternura. Com a saudade das gentes ausentes e a saudades das que ficam e não partiram. Não sei se foi ela a partir ou se fui eu a ficar. Se foi o ramo que a perdeu, ou o vento que a levou. Sei que já não está na ponta do ramo, da árvore que continua de pé. 

Por fim, moribunda agarra-se ao chão, perto da sua árvore. Ainda vê os contornos fortes das suas raízes. Depois, pouco a pouco vai morrendo no tempo que passa sem se deter. Chegam as primeiras chuvas de Outono e os primeiros frios do Inverno. O chão arrefecido vai ficando gelado. E ela vai morrendo um pouco mais. Até que se mistura na terra negra que a envolve. Resta-lhe um sopro de vontade. De vontade de ti. Então infiltra-se lentamente naquele chão que é a tua vida. E tu, tens fome e sede. Da folha que partiu. Do lugar preenchido por aquele pedaço verde, palpitante de vida. A tua seiva era a seiva dela.

Pouco a pouco, atinge uma das tuas raízes. Faz-se alimento para que vivas. Corre por ti. No interior de ti. Inunda-te. Fortalece-te. E tu árvore, sem que o saibas vives porque ela morreu. E ela, a folha moribunda renasce porque tu precisas que viva. Renasce no mesmo ramo, no mesmo galho frágil e sorri feliz. Volta a ser um pedaço verde que te acarinha. Ela  que tem vontade de ti. Tu que tens vontade dela. E unidos, ligados por estranhos laços, a folha sabe que fazer parte de ti é a sua propria vida. Até que um temporal inesperado de Verão a arraste do teu pedaço de chão, ou uma brisa suave a inebrie com promessas de fugas arrojadas. 

O encontro e o desencontro da folha que se soltou da árvore. A vontade e o desejo entre dois olhares que se trocam. Dois mundos. Dois corações. Mil sonhos. Diferentes. Iguais. Os troncos fortes que são teus, as folhas frágeis que são minhas.

 

Caminhamos lado a lado, por este caminho de folhas soltas. Aqui e ali, sem querer, em gestos espontâneos as mãos tocam-se. Os olhares cruzam-se. Breves instantes de comunhão. Eu e tu. Neste chão coberto de folhas que morrem à espera de viver.

É assim a vontade, a minha vontade de ti. Saberás?

 

 

 

 


Desabafos de alemvirtual às 23:07
link do post | Deixe o seu comentário | favorito
Quarta-feira, 13 de Julho de 2011

Já não sei quem sou

São muitos os anos que já conto. Para o ano, se lá chegar, serão 90. Começo a esquecer-me de muita coisa que, uns anos (não muitos) antes, eram prioridades absolutas na minha vida. Como o aniversário das filhas e dos netos. Tinha uma lista com os nomes e as datas. Quase um mês antes, já tinha comprado um postal de parabéns para enviar com uma nota dentro, aos que estavam mais longe, porque os que moravam mais perto, recebiam uma prenda para o enxoval. Agora, esqueço-me das coisas. Pergunto muitas vezes, sem me lembrar que perguntei. E dão-me a resposta, sem que me lembre que já a ouvi.

 

O mundo já não faz muito sentido para mim. É tudo muito diferente. Os jovens partem para a vida deles e os mais velhos vão ficando. Eu fiquei.

 

Os dias vão-se arrastando, lentamente, muito lentamente, porque não tenho os horários a cumprir que tornam os mais novos nervosos e atarefados. Andam sempre a correr de um lado para o outro. O tempo parece que nunca lhes chega. A mim, sobra-me.

Os meus dias são passados entre a vinda à varanda e as idas ao quintal. São dias "de ano". Longos e solitários. Mantenho as minhas rotinas, mas são rotinas muito limitadas. Limitadas pela fragilidade que se instala, mais e mais, à medida que os anos passam.

Mas lembro-me bem do tempo em que andava quilómetros. Que trabalhava de manhã à noite. Que lia e fazia renda. Que conversava com as vizinhas e ia à loja e à missa. Agora, não saio de casa. Também já não cozinho.

 

Espero. Tudo quanto faço é esperar. As filhas que estão longe e não vêm. Os netos que não me visitam. Mal começa a tarde, espero o anoitecer. Depois, sozinha na noite, espero o amanhecer. Espero, debruçada na varanda, com uma manta de lã para proteger os meus braços do varão, que alguém passe na rua. É uma rua deserta. Cheia de casas, mas vazia de gente. Aqueles que conhecia, gente da minha idade, partiram. Prefiro dizer partiram que morreram. Restam os casais mais jovens, ainda assim, pouco jovens. Estão nas suas vidas. Toda a gente tem uma vida. Eu tenho uma vida vazia de espera.

 

Deixei de ouvir. Há já muito tempo que andava a ouvir mal. Ia-se agravando, até que deixei mesmo de ouvir. Não sei usar o telefone, mas também não o poderia ouvir, por isso não tenho. Os recados dão-mos num bilhete escrito, mas até esses já tenho dificuldade em compreender. Justificam ausências de visitas, porque têm muitas reuniões. Também já vejo mal. Gastei a vista a fazer renda. Trabalhos de renda em fios delicados. Toalhas, colchas, napperons. Gostava muito de ler o jornal e livros de mistério. Ainda leio, mas nem a vista ajuda, nem as minhas costas permitem estar muito tempo sentada. Sento-me lá fora, na varanda, para ver se vejo alguém. Depois, levanto-me porque não aguento muito tempo na cadeira. E é debruçada na varanda que costumo passar mais tempo. À hora do almoço vejo as "notícias". Estou a par da actualidade porque leio os rodapés. Quando a informação não é suficiente, deduzo as coisas. Nem sempre da forma correcta. por isso se geram tantos mal-entendidos.

Vejo que há notícias de muitos velhinhos tão sozinhos como eu. Alguns são mal-tratados. Até lhes batem! Outros são esquecidos pela família e ficam entregues a eles mesmos e à força que os abandona. Como a família.

 

Lembro-me bem de tudo o que passou. Não deste passado recente, mas do passado mais longínquo. De quando se falava com assombro de que ia haver uma caixa em que se via as pessoas lá dentro. Era a televisão, mas naquele tempo era uma coisa esquisita, mal compreendida e que pouca gente teve. Pela televisão vejo o mal que vai no mundo. É o que me liga a ele e às pessoas que não conheço, mas que me inspiram verdadeiros sentimentos de amizade ou de ódio, consoante a sua acção. Há mortes que lamento muito. Choro como se fosse da minha família ou um amigo íntimo. Não me conheciam, mas eu conhecia-os a eles. Tenho-os acompanhado desde sempre.

 

A vida lá fora terminou, quando terminou a força nas pernas para andar. Já caí algumas vezes. Umas com menos consequências, outras com feridas grandes, braços e pés partidos. Por isso, agora apenas me arrasto devagar até à minha varanda. E aí continu a esperar as visitas que não chegam.

As poucas vezes que tenho alguém para me ouvir, falo de mim, de como era jovem e bonita. Mas falo também da vida difícil de trabalho que tive. Viúva, com filhas pequenas, tive de fazer papel de mãe e de pai e trabalhar para que nunca lhes faltasse nada.

Como gosto de partilhar as recordações que insistem em ficar.... Era muito linda. Chamavam-me a "Miss da terra". Agora olho para mim e já não sei quem sou. Sou um monte de ossos em forma de esqueleto curvado com carnes flácidas e secas. Mal me tocam faço logo um hematona. Não tinha rugas, antes uma pele de seda clara. Olhos grandes, cabelo escuro. Eu era a "Rosa do Tejo". Caminhava ligeira. Agora vejo-me deformada, com passinhos hesitantes e inseguros.

Quando era nova e uma jovem casadoira, os bailes faziam-se com uma concertina. Tocava-se e dançava-se, lá na Sociedade. Dançava muito bem. E por ser tão bonita, muitos me dedicavam poemas e canções. Hei-he contar-vos alguns.

Agora, passo a vida a queixar-me de tudo. Os joelhos que me doem, os braços que já não estico, a digestão que não se faz. Falo de Santos e de experiências estranhas que acontecem durante a noite. Como sentir uma mão delicada e suave no meu braço, ou o peso de alguém ao sentar-se na cama. Acho que é a minha querida netinha que eu ajudei a criar e que morreu muito jovem. A minha menina. Todos os dias rezo um terço pela sua alma e a ela por mim. Que se lembre de mim. Que me apareça em sonhos. Que me mate as saudades que tenho dela. Guardo num maço atado com um laço cor-de-rosa, as cartas que me enviava. Entrou cá em casa num Domingo, Dia da Mãe e nunca mais a voltei a ver, a não ser quando estava no caixão, tão bonita que era impossível acreditar que estivesse morta.

 

Sou um fardo para os outros. As minhas filhas só cá vêm de tempos a tempos. Os meus netos, esse nunca vêm. E eu vivo a contar os dias que faltam para o Natal ou para os meu aniversário, quando, depois de muito ralharem entre eles, me vêm buscar na véspera do Natal e pôr no dia seguinte. Entre estes dias e todos os outros do ano, vivo sozinha, mas a esperança de ter visitas não se acaba.

 

Tenho uma palavra para isto. Vivo abandonada. Abandonada à sorte, até que chegue o momento em que deixarei de ser motivo de preocupação.

 

Era linda. Tinha um vestido de chiffon rosa que vestia para ir aos bailes. Dançava toda a noite.

Agora danço, em recordações que se vão esfumando, como nevoeiro difuso que o sol afasta.

 

Já não sei quem sou. Já não tenho ninguém, porque ninguém tem paciência para mim. Sei que não deve ser fácil, mas queria tanto, mas tanto uns minutos, de vez em quando da presença dos meus filhos e dos meus netos que me enchem de orgulho, sem me cansar de repetir que são doutores e engenheiros.

Não gosto de me sentir velha. Mas sei que o sou. Não gosto de me sentir sozinha. Mas sei que estou.

E amanhã, tal como hoje, comerei meio pão ensopado em leite e passarei o dia na varanda olhando as gentes que não passam. Solidão, solidão, solidão, porque vieste ao meu encontro?

Vou ensinar uma oração que a minha mãe Leopoldina rezava, é assim (tenho pena que as coisas bonitas daquele tempo se percam):

 

 

Pai Nosso pequenino

Quando Deus era menino

Tanto sangue lhe corria pelos pés, pelas mãos

Lá vai Santa Maria Madalena com a toalha na mão, para limpar o Senhor.

"Não me limpes Madalena! Isto são as 5 chagas que por mim hã-de passar;

Cruz na fronte, cruz no monte, o Demónio não me encontre

nem de dia, nem de noite, nem ao pé do meio-dia,
Já os galos cantam, cantam

Já os anjos se levantam

Já DEus subiu à cruz

Para sempre,

Ámen Jesus! 


 

Que lugar têm os velhos na nossa vida?  

 

 

Eu chamo-me Celeste. Nínguém me espera, mas o céu espera por mim....


Desabafos de alemvirtual às 22:45
link do post | Deixe o seu comentário | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 11 de Julho de 2011

Museu Etnográfico de Mira, o litoral e o verde da paisagem

O Museu onde funciona também o Posto de Turismo e  Galeria de Exposições de Arte. Atrás, uma imensa lagoa, com barcos de remos e "gaivotas" para alugar. Em redor da lagoa, os restaurantes com peixe fresco e mariscos. Do outro lado, o mar imenso...

        

  

 

 

 

    O mar e a paisagem protegida das dunas

 

 

 Recortes de falésias, um pouco mais a sul de Mira
 

   

 

 O Verde, braço dado com o azul do mar e do céu

 

  

Partir à descoberta do meu país levou-me até Mira. Uma zona, para mim, desconhecida, com uma história riquíssima que remonta aos primórdios da ocupação romana e árabe.

O concelho faz parte integrante de uma vasta área que engloba a Ria de Aveiro e que constituí a Associação dos Municípios da Ria (AMRIA), bem como a região natural da Gândara, que se estende entre as bacias dos rios Vouga e Mondego, fazendo igualmente parte da associação dos municípios do Baixo Mondego e Gândara. 

Vale a pena conhecer.


Desabafos de alemvirtual às 18:39
link do post | Deixe o seu comentário | favorito

Pedaços de mim


Sou...

Outras almas amigas

. 10 seguidores

pesquisar

 

Março 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Desabafos...

Um palmo e meio de sonhos...

A minh´alma não é mais qu...

Zita

Silêncio da noite

Uma gaiola como tantas ou...

As minhas preocupações pa...

Missa em memória da Marga...

Memórias - Margot

Mais perto do céu

Mensagem para uma noiva

Outras páginas de vida...

Março 2020

Janeiro 2014

Março 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Visitantes

online

Minhas Visitas

Outros olhares-Outro mundo

SAPO Blogs

subscrever feeds